Close

Por uma reserva legal justa, protetora e produtiva

MERCEDES BUSTAMANTE
IMA VIEIRA
VALÉRIO DE PATTA PILLAR
GERALDO WILSON FERNANDES

O Projeto de Lei (PL) apresentado pelos senadores Marcio Bittar (MDB-AC) e Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que prevê o fim da Reserva Legal (RL) nas propriedades rurais é extemporâneo e raso. Extemporâneo porque a nova Lei de Proteção da Vegetação Nativa foi exaustivamente debatida até sua aprovação em 2012 e revista pelo STF em 2018. Raso porque não tem nenhum fundamento válido para propor o fim de tão importante pilar da conservação e uso sustentável da vegetação nativa. As justificativas desse retrocesso dramático da legislação ambiental, com profundas implicações para a sociedade e produtores rurais, não se sustentam.

Não é verdade que:

1) a demanda por conservação venha do “clamor ecológico fabricado” por estrangeiros. A RL, já prevista desde 1934, é fruto de um olhar responsável do Estado brasileiro para assegurar a conservação e a sustentabilidade no uso econômico dos recursos naturais em uma fração do imóvel rural. Em sua evolução no ordenamento jurídico, incorporaram-se os valores da Constituição Federal de 1988, pela qual, além da função econômica, a propriedade ou posse deve obedecer a uma função social que inclui a utilização adequada dos recursos naturais e a preservação do meio ambiente, bens coletivos de toda a sociedade. Ao contrário do exposto no PL, os dispositivos da RL não “ferem de morte o princípio constitucional do direito à propriedade privada”.

2) o Brasil conserva sua vegetação nativa mais do que o necessário. As Unidades de Conservação (UCs) (públicas e privadas), e as áreas protegidas dentro de imóveis rurais têm papéis complementares e não são intercambiáveis como sugere o PL. As UCs protegem áreas com características especiais e porções significativas da biodiversidade brasileira. Cobrem 29% da Amazônia, mas apenas 10% da Mata Atlântica, e ainda menos nos demais biomas. Ainda, o PL usa dados de todas as áreas com algum nível de proteção no Brasil e os compara com áreas estritamente protegidas em outros países. De mesma forma, o PL cita que os EUA usam 74,3% de sua área para a agropecuária; mas descontando as pradarias naturais com uso pastoril compatível ao de nossas RLs, seriam 22% com lavouras e pastagens. As RLs garantem benefícios locais como a polinização de cultivos agrícolas, a proteção do solo e o suprimento de água, além de permitir a conectividade das paisagens naturais, essencial para a conservação da biodiversidade regional. Sem isso, a extinção de espécies aumentará significativamente.

3) a Reserva Legal trava a produção agrícola brasileira. A RL não é “terra improdutiva”. O uso sustentável da RL sempre foi assegurado em Lei. Paisagens agrícolas com produção diversificada, incluindo o uso produtivo das RLs, trazem mais benefícios diretos aos produtores e à sociedade. Por exemplo, estima-se que no Brasil os serviços de polinização do café contribuam com 1,9 a 6,5 bilhões de reais/ano. Considerados todos os serviços ecossistêmicos, manter as RLs é melhor que desmatá-las. Ademais, há uma grande extensão de pastagens degradadas que podem ser recuperadas para produção agrícola sem precisar retroceder na conservação de vegetação nativa.

Reduzir a proteção ambiental resulta em prejuízos diretos para a agricultura. Isso já é aceito pela fração responsável do agronegócio mas, os autores do PL ecoam as vozes mais arcaicas do setor. Parlamentares devem defender os interesses da coletividade, buscando o bem comum de forma mais eficiente possível. Claramente não é o caso do PL 2362/2019.


Sobre os autores:

MERCEDES BUSTAMANTE é professora titular do Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB)

IMA VIEIRA é pesquisadora titular do Museu Parense Emilio Goeldi (MPEG)

VALÉRIO DE PATTA PILLAR é professor titular do Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

GERALDO WILSON FERNANDES é professor titular do Departamento de Biologia Geral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)


Este artigo foi publicado originalmente pelo jornal El País
Coalizão Ciência e Sociedade

Coalizão Ciência e Sociedade

A Coalizão Ciência e Sociedade é formada por membros da sociedade civil, você pode conferir todos aqui

A Coalizão Ciência e Sociedade é formada por membros da sociedade civil, você pode conferir todos aqui

Related Posts

One thought on “Por uma reserva legal justa, protetora e produtiva

  1. coque iphone 6s nike

    Got difficulties for you to over, incapable Kservice, then seen spoolsv. exe seeking to call available. Checked out upward and located it has the any respectable ‘microsoft’ iphone app with regard to printer/fax spooling. Nonetheless it was contacting 193. 114. 117. 134 that is low in addition to BSKYB, currently exactly what is that most with regards to???
    I think this is all a nasty little bit of c***p, and also deserves wider marketing to defend the actual unwitting community SBB brought about our PERSONAL COMPUTER as well TRULY gradually, in addition to stoped F_Secure form launching correctly.
    I located that will through setting KService to load “manually” rather than the arrears “Automatic” but not only increased the particular boot time period of my DESKTOP but additionally allowed the The firewall to launch correctly.
    On another observe F-Secure just lately current it is parental handle (web web site filter) this the latest up-date halted SBB by even locating the login hardware not to mention actually loging upon.
    To support SBB to operate I have were required to clearly allow the folowing web-sites, static1. skies. com, dms. vod. heavens. com, alb. vod. heavens. com, 82. information and facts. eight. 46.
    I have got reported this to be able to F-Secure and also Now i’m expecting an answer.
    coque iphone 6s nike https://www.anten.fr/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.